• Home
  • Blog
  • CLT: Conheça as penalidades por faltar ao trabalho ou em caso de atraso

CLT: Conheça as penalidades por faltar ao trabalho ou em caso de atraso

O departamento dos Recursos Humanos de uma empresa, é o responsável por controlar o ponto dos colaboradores, ou seja, as entradas e saídas.

Portanto, caso haja faltas ou atrasos não justificados e constantes, os gestores estarão dentro do direito ao aplicar penalidades.

Contudo, ainda há diversas dúvidas sobre a procedência das referidas situações, bem como, quais são os direitos e deveres de ambas as partes.

Advertências por falta ou atraso

A advertência se trata de uma maneira de notificar oficialmente o descontentamento de uma empresa caso as atitudes de um determinado funcionário não correspondam às expectativas e à política da empresa.

É importante destacar que existem situações asseguradas perante a Lei, que permitem a falta sem desconto no salário caso se refira a consultas médicas comprovadas por atestado, casamento, morte de parente próximo, e algumas outras.

Em contrapartida, a não justificativa de uma falta é entendida como um ato de má fé que, pode ser advertido verbalmente a princípio, ainda que, seja recomendado a oficialização por escrito.

Caso a infração se repita, uma segunda advertência deve ser feita, desta vez, especificando as características do acontecimento, e as informações pessoais e trabalhistas do funcionário, bem como, a assinatura do mesmo.

Contudo, se a situação persistir, o empregador tem o direito de suspender o funcionário por um período que pode variar de um a 30 dias, sem nenhuma remuneração.

Penalidades por falta ou atraso no trabalho

De toda forma, sugere-se que, as penalidades aconteçam gradativamente, iniciando com uma advertência por escrito, posteriormente, suspensões com quantidade de dias que podem ser elevados a cada vez, até que, se o problema persistir, o funcionário seja demitido por justa causa.

Além disso, se houverem faltas consecutivas por 30 dias ou mais, considera-se abandono de emprego.

Legislação brasileira

De acordo com a Lei nº 605/49, se o trabalhador tiver faltas e atrasos não justificados, o dia de trabalho não executado pode ser descontado do salário mensal.

Entretanto, é importante se atentar quanto ao regimento da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), através do artigo 58, que alerta que, o empregador somente pode aplicar uma advertência caso o atraso ultrapasse cinco minutos.

Em contrapartida, durante a jornada de trabalho diária, não pode haver mais do que dez minutos de atraso.

No geral, recomenda-se que o empregador chame o funcionário para uma conversa inicialmente, no intuito de atender a situação, para, somente depois, aplicar as devidas penalidades caso o diálogo não surta efeito e as infrações persistam.

Por fim, é importante observar que, as advertências devem ter caráter pedagógico, e não punitivo, visando esclarecer ao trabalhador o real motivo da situação a qual está sendo sujeito, e as possíveis consequências a longo prazo.

Fonte: Jornal Contábil

Gostou? Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram