• Home
  • Blog
  • Como calcular o custo de um funcionário para a empresa?

Como calcular o custo de um funcionário para a empresa?

É um grande engano pensar que o custo de um funcionário se resume ao salário que ele recebe. As empresas têm inúmeros custos e gastos que encarecem a folha de pagamento de um negócio.

A classificação do regime tributário, por exemplo, interfere diretamente nos custos para a contratação do funcionário e sua manutenção. Identifique o seu modelo de negócio e entenda como calcular.

Regime Tributário: Simples Nacional

O Regime da Simples Nacional é o mais utilizado entre as micro e pequenas empresas devido ao fato de centralizar, em uma única guia de pagamentos, todos os tributos e impostos que a organização deve repassar para o município, Estado e Governo Federal.

Com alíquotas mais brandas do que aquelas cobradas de grandes empresas, o Simples Nacional não paga encargos referentes ao INSS patronal, salário educação, seguro acidente do trabalho (SAT) e contribuições ao SENAI, SESI, SEBRAE ou Incra.

Contudo, mesmo que enquadrada no Simples Nacional, (exceto anexo IV), o custo de um funcionário é maior do que o salário recebido por ele. Supondo que ele tenha um salário base de R$ 1000,00, é preciso somar também:

– 8% de FGTS – R$ 80,00;
– Férias – R$ 1.000,00 (valor anual);
– 1/3 sobre férias – R$ 333,33 (valor anual);
– 13º salário – R$1. 000,00 (valor anual);
– 8% de FGTS do valor anual – R$ 186,67;
– Provisão Mensal (Férias + 1/3 sobre férias + 13º + 8% de FGTS anual) /12 – R$ 210,00;

Para as empresas do Simples Nacional anexo IV, deve-se incluir também o INSS, que é pago a parte. A CPP (Contribuição Previdenciária Patronal) deve ser recolhida em separado.

Regime Tributário: Lucro Real ou Lucro Presumido

Para calcular o custo de um funcionário que atue dentro deste regimento é preciso seguir todas as etapas já descritas anteriormente e acrescentar a alíquota de terceiros (Incra, SENAI, SESI ou SEBRAE), o INSS patronal e outros encargos não existentes para as pequenas empresas.

Uma empresa tributada pelo Lucro Real ou Presumido, paga como encargos trabalhistas, sobre o valor do salário:

– 20% de INSS (contribuição patronal);
– 8% de FGTS;
– de 1% a 3% de seguro de acidente de trabalho;
– 2,5% de salário educação;
– 20% corresponderiam ao descanso semanal remunerado (considerando 4 domingos e 4 sábados com meio período de trabalho por mês – semana de 44 horas);
– 8,33% corresponderiam ao 13º salário;
– 3,3% iriam para o “Sistema S” (Sebrae, Sesi, Sesc, etc.);
– 11,11% correspondente às férias, levando em conta um salário por ano mais 1/3 de abono quando de seu usufruto;

Comparação entre os regimes

Ou seja, comparando os regimes de tributação, temos os seguintes valores:

SalárioSimples Nacional (anexos I, II e III)Simples Nacional (anexo IV)Lucro Presumido ou Lucro Real
R$ 1.000,00R$ 1.502,00R$ 1.642,00R$ 1.700,00

Outros custos que podem encarecer a folha

Considerando apenas os encargos sociais, o custo de um empregado supera aproximadamente 70% o valor do salário assinado em carteira, claro, que com pequenas variações que dependem do segmento do seu empregador. Os encargos previdenciários básicos encarecem a folha de pagamento, podendo chegar até 35,8% do total.

Já as férias, 13º salário, auxílio-doença, licença-maternidade e outros encargos e seus reflexos, também precisam ser provisionados pelo empregador.

Vale lembrar que não foram incluídos benefícios como vale refeição, vale alimentação, cesta básica e vale transporte, já que podem variar de acordo com cada município e sindicato.

Além disso, é preciso lembrar que casos específicos como hora extra, adicional noturno, insalubridade e periculosidade também devem ser incluídos conforme a atividade que a empresa exercer.

Há empresas que ainda optam por fazer um fundo em caso de demissão. Atualmente, é preciso pagar uma multa rescisória de 40% do FGTS e 10% do governo, totalizando 50%.

De acordo com Camila Cruz, sócia do escritório Mascaro e Nascimento Advogados, a carga tributária no Brasil é considerada alta em relação a outros países, o que acaba por onerar as empresas já que não existe uma contrapartida, o que fomenta muitas vezes a informalidade e a precarização do trabalho.

“A composição salarial vai além do salário líquido recebido pelo empregado. A parcela salarial não é somente a verba fixa a ser paga pelo empregador, no caso o salário base, a composição do salário é feita por comissões, gratificações habituais, benefícios, gratificação de natal, adicionais e prêmios”, explica a advogada trabalhista.

Segundo a Camila, fazer uma boa gestão da folha de pagamento e seus encargos é essencial para a saúde financeira das empresas.

 

 

Fonte: contabeis.com.br

Gostou? Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram