Cuidados com o eSocial

O ano nem terminou e o anúncio de novas mudanças nas áreas contábil, fiscal e trabalhista para 2018 já surgiram. Exemplo disso é o eSocial que estabelece modificações no envio das informações das empresas sobre os seus funcionários. É preciso se organizar, pois este novo cenário que se apresentará a partir do próximo ano demandará não só atenção, mas também habilidade por parte dos contadores. A afirmação é do especialista Alexandre Andrade Conselheiro do CRCRJ e Diretor do Painel Financeiro.

De acordo com ele, as funcionalidades do programa são complexas, requerem preparação e a necessidade de entender os percentuais de impostos, além de como os dados deverão ser transmitidos a partir do ano que vem. Andrade ressalta ainda que é importante também não deixar o cadastro para última hora, já que pode haver congestionamento do sistema do eSocial e, consequentemente, o risco do não cumprimento da obrigação, ocasionando multas e penalidades previstas nas legislações trabalhista e previdenciária.

Para se ter ideia, até o momento somente 800 organizações fizeram o cadastro na plataforma da Receita Federal de um universo de oito milhões de empresas que empregam mais de 40 milhões e serão obrigadas a cumprir a exigência que entrará em vigor a partir de 1º de janeiro de 2018. “Primeiro para aquelas que tiverem um faturamento superior a R$ 78 milhões em 2016. Já a partir de julho, a obrigatoriedade será estendida para todos os empregadores”, alerta Andrade.

De acordo com pesquisa da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), somente 4,4% das empresas estão realmente preparadas para a operação do novo sistema e 42,9% das mais de 1.300 companhias avaliadas nem mesmo iniciarão a implantação. “Diante de uma série de novidades é fundamental que as empresas tenham apoio de um profissional contábil capacitado e também um sistema de gestão financeira que auxilie na organização dos processos internos e no arquivamento dessas informações. Do ponto de vista do contador, é hora de aproveitar os meses restantes para se aprofundar no assunto e orientar da melhor forma possível as suas respectivas empresas”, orienta.

O diretor ressalta que toda mudança gera desconforto, insegurança e
resistência e que a atitude desconfiada das empresas ao novo é normal. Para ele, cabe ao contador explicar como funcionará o sistema, assegurar que os dados transmitidos estão corretos e conscientizar os empresários que atitudes, como admitir um funcionário sem prestar contas de toda a sua documentação deverá ser deixada de lado. “O controle estará maior e mais rigoroso, já que os dados trabalhistas, previdenciários, tributários e fiscais serão unificados. Sem falar que o envio dos dados, em alguns casos
deverá ser diário, ou seja, a palavra de ordem agora é organização”,
conclui.

Fonte: Jornal Contábil

Gostou? Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram